Rio Branco tem sete casos de leptospirose confirmados e uma morte causada pela doença em quatro meses

  • 11/04/2024
(Foto: Reprodução)
Outros 200 casos ainda são investigados, segundo a Vigilância em Saúde. Morte pela doença foi de morador da Baixada da Sobral, que se contaminou durante a cheia do Rio Acre. Notificações de suspeita de leptospirose aumentaram após enchente na capital acreana Reprodução/Rede Amazônica Acre Entre os meses de janeiro e abril, o município de Rio Branco teve 274 casos de leptospirose notificados, sendo sete confirmados e uma morte registrada, segundo dados da Vigilância em Saúde da capital acreana. Leia mais Casos prováveis de dengue sobem mais de 300% nas primeiras nove semanas de 2024 no Acre Em situações de enchentes e inundações como as que o Acre vivenciou em 2024, a urina dos ratos, presente em esgotos, se mistura à enxurrada e à lama e o contato com a pele que tenha algum tipo de ferida é uma das formas mais comuns para a contaminação por leptospirose. A diretora de Vigilância em Saúde de Rio Branco, Socorro Martins, destaca que ainda há cerca de 200 casos sendo investigados. “Realmente, o número de casos aumentou nesse período. Eu acredito que não está maior porque a prefeitura liberou kits de limpeza, os agentes foram nas casas orientar, então, amenizou realmente. E nós estamos investindo ainda mais de 200 casos”, ressalta. Cristiano Cruz morreu em decorrência da leptospirose após se contaminar durante a enchente Reprodução/Rede Amazônica Acre Morador da Baixada da Sobral, Cristiano Cruz foi contaminado enquanto ajudava vizinhos a retirarem seus pertences de casa durante a alagação em março deste ano. Segundo a família, ele acabou se cortando nesse período, chegou a ser internado, mas não resistiu e morreu. Os sintomas característicos da leptospirose incluem febre, dor de cabeça e dores na panturrilha. A doença é causada, principalmente, pela urina dos ratos. A infectologista Cirley Lobato ressalta que o tratamento da doença varia conforme a gravidade do quadro. “O tratamento é importantíssimo, tanto verificar se o paciente tem uma forma leve, uma forma moderada ou uma forma grave. Geralmente, os casos leves são tratados a nível ambulatorial, com isso de antibiótico. O médico vai saber indicar o antibiótico correto. Aqueles que chegam até a gente com um quadro mais grave, eles necessitam ser hospitalizados. O tratamento, além do suporte clínico, é a utilização do antibiótico para matar a bactéria”, explica. De janeiro a abril 264 casos suspeitos da doença foram registrados na capital Cenário estadual Contato com água de enchente deve ser evitado Ismael Melo/Rede Amazônica Em menos de três meses, a Secretaria de Saúde do Acre (Sesacre) já notificou 235 casos suspeitos de leptospirose. Destes, 150 foram registrados entre janeiro e fevereiro, antes do período da enchente histórica de 2024. Outros 85 casos foram notificados este mês, depois da cheia do Rio Acre. Ao todo, 14 casos foram confirmados no estado acreano antes da alagação no estado. A secretária adjunta de Atenção à Saúde, Ana Cristina Silva, explicou que a gestão aguarda o resultado de outras 23 amostras enviadas para análise. Cerca de 198 casos foram descartados. "O que a gente tem de confirmação pós-alagação é somente um caso que é em Cruzeiro do Sul. As sorologia que a gente está esperando estão concentradas ali na região do Jordão, Rio Branco e Brasiléia", destacou. Ana Cristina reforçou o cuidado que as pessoas precisam ter para evitar o contato com as águas contaminadas. Ao fazer a limpeza das casas afetadas pela enchente, o ideal é usar botas e luvas. "Se apresentar qualquer sintoma como febre, dor no corpo, principalmente, dores na panturrilha, que procurem a unidade de saúde imediatamente. A diferença nesse diagnóstico de leptospirose para a preservação da vida do paciente é justamente o tempo do diagnóstico. Então, é importantíssimo que esse diagnóstico seja feito de forma precoce para que o médico possa entrar no tratamento imediatamente e evitar complicações desse caso", aconselhou. Durante o período de pós-enchente, as equipes de saúde estão indo nos domicílios orientando a população. "A ingestão de água contaminada também é um fator relevante para essa contaminação. Então, a gente faz distribuição de hipoclorito, orienta as pessoas que não bebam água de forma nenhuma se não estiver tratada, inclusive, nesse movimento também de volta, de limpeza, uso das galochas, das luvas, sempre que possível que as pessoas possam fazer uso dessas proteções", concluiu. Leptospirose é transmitida através da urina de rato Reprodução/TV Acre Como se pega a leptospirose? Em situações de enchentes e inundações, a urina dos ratos, presente em esgotos e bueiros, mistura-se à enxurrada e à lama das enchentes. Qualquer pessoa que tiver contato com a água ou lama contaminadas poderá se infectar. A leptospirose penetra no corpo pela pele, principalmente se houver algum ferimento ou arranhão. Quais os sintomas? Os sintomas mais frequentes são parecidos com os de outras doenças, como a gripe. Os principais são: febre, dor de cabeça, dores pelo corpo, principalmente nas panturrilhas (batata-da-perna), podendo também ocorrer icterícia (coloração amarelada da pele e das mucosas). Reveja os telejornais do Acre

FONTE: https://g1.globo.com/ac/acre/noticia/2024/04/11/rio-branco-tem-sete-casos-de-leptospirose-confirmados-e-uma-morte-causada-pela-doenca-em-quatro-meses.ghtml


#Compartilhe

Aplicativos


Locutor no Ar

Anunciantes